Elaine Paiva

Esta página é patrocinada por Amar Flowers.

Página 4 de 5

Página:  Anterior  1  2  3  4  5  Seguinte

 
Número:  16
Data:  DOMINGO 23 DE JULHO 2006
Título:  ABRALI - A LITERATURA SEM FRONTEIRAS

Press Release – Projeto Cultural ABRALI – 22 de Julho de 2006.

O Projeto Cultural ABRALI termina sua jornada de lançamentos das Antologias Literárias Internacionais CANTOS DO MUNDO e MARGENS DO ATLÂNTICO em 2006.

O sucesso foi total, obedecendo a programação que iniciou dia 22 de Abril com o primeiro evento na Casa de Portugal de São Paulo e continuou com um segundo evento na Casa de Cultura José Gonzaga Vieira em Londrina – Paraná, no dia 25 de Abril, com cobertura da CNT – TV Tropical e jornais da região. Os eventos contaram com a presença do Exmo. Sr. Cônsul de Portugal e várias outras personalidades, não faltando Academia de Letras, Elos Clube e outras entidades representativas.

Foto: Celso Brasil, Zeni Brasil, Andréa Motta, Lucy Reichenbach, Roza de Oliveira - Presidente da Academia Paranaense de Poesia e Anthony Leahy - Historiador e proprietário da Livraria Pedra da Gazeta de Curitiba.

Na sequência de fotos, as entrevistas: Lucy Reichenbach - Autora e coordenadora do Projeto. Celso Brasil - Autor e Presidente do Projeto

O Projeto ABRALI, apoiador da II Feira do Livro de Curitiba, participou com as obras expostas de 18 a 28 de Maio, tendo um dia dedicado a ABRALI – 24 de Maio – quando apresentou, com destaque, no palco principal da Feira, seus Autores e seus objetivos para o grande público.

Em Junho, Celso Brasil – Presidente do Projeto e Lucy Reichenbach – Coordenadora e Assessora Jurídica do mesmo, seguiram para Portugal, cumprindo uma agenda de um mês. No dia 22 de Junho foram apresentadas as obras em Lisboa, no Bairro Alto, seguido de coquetel, contando com a presença de convidados vindos do Canadá, Brasil e várias partes de Portugal. Os eventos continuaram no dia 23 com sarau e coquetel, seguido de um jantar. Encerrou-se no dia 24 de Junho em Alfama, com um jantar na Casa de Fados FADO MAIOR, onde Manuela Cavaco – reconhecida Fadista internacional e Membro do Projeto, apresentou sua arte.

Lisboa - Portugal - 24 de Junho de 2006
Coordenação: Teresa Silva, Maria Paula,
Celso Brasil, Lucy Reichenbach e Manuela Cavaco.

Um acontecimento raro! Sarau poético numa Casa de Fados, com guitarras portuguesas produzindo o fundo musical.

 

Encontro de Amigos. Um grande encontro!

Foto: Lisboa - Portugal : O Poeta Cavaco e sua encantadora esposa Mavilde, nos brinda com este encontro. Euclides Cavaco, Maria Paula, Lucy Reichenbach, Mavilde e Celso Brasil nas docas de Lisboa - margens do Tejo.

Um encontro com Euclides Cavaco, grande amigo que apóia o Projeto ABRALI e seus Membros desde seu início.

A repercussão gerou um convite da RTP Internacional para participação no programa PORTUGAL NO CORAÇÃO, onde Celso Brasil e Lucy Reichenbach levaram as obras e apresentaram o Projeto, ao vivo, para 140 países no dia 7 de Julho.

Foto: Merche Romero e José Carlos Malato com Celso Brasil e Lucy Reichenbach

Lucy Reichenbach falou sobre sua participação como autora nas obras e sobre sua produção solo que será lançada pela ABRALI Edições. A apresentadora Merche Romero convidou, no ar, para que apresentemos os novos trabalhos neste mesmo programa.

A ABRALI anuncia, para breve, o lançamento de mais obras – Antologias Internacionais, que estarão com inscrições abertas a partir de agosto e várias produções de livros solo que serão lançadas no Brasil, Canadá e Portugal, obedecendo a programação que será anunciada dentro de poucos meses.

Também será alterado o Portal ABRALI, o que trará muitas vantagens aos Membros participantes e mais duas grandes novidades que estão em fase de estruturação. Um grande investimento está sendo feito e o resultado será apresentado em breve.

Foto: Paulo Filipe e Joe Furtado na edição do Amor de Artista 2006

Para este ano, a ABRALI cumprirá uma programação de palestras em várias cidades brasileiras, a convite de Academias de Letras, entrevistas televisivas e rádios, terminando o ano com chave de ouro lançando o livro biográfico Amor de Artista no Canadá em Dezembro.

O esforço de divulgação dos novos talentos literários continuará e surpreenderá a todos, garante a Diretoria da ABRALI.

Fonte: Abrali – Projeto Cultural.
Diretor e editor responsável: Celso Brasil
www.abrali.com

Elaine Paiva
Escritora e coordenadora do Projeto Abrali – Rio de Janeiro
www.awanene.com

Elaine Paiva



Número:  15
Data:  SEGUNDA - FEIRA 24 DE ABRIL 2006
Título:  A REVOLUÇÃO DOS CRAVOS

A Revolução dos Cravos

História do 25 de Abril - - A Revolução da Liberdade

A revolução de 25 de Abril de 1974 representa um marco fundamental não apenas na história do Portugal contemporâneo mas em toda a história da nacionalidade. Com ela, não só se fecha o ciclo imperial iniciado com a expansão marítima no século XV, como se abre a via de integração numa nova entidade política em gestação - a União Europeia.

O derrube da ditadura conservadora, que em 1933 se auto-intitulou "Estado Novo", por um amplo movimento de oficiais das Forças Armadas, surge como consequência inevitável do esgotamento de um modelo autoritário ferido de morte pelo impasse do colonialismo e pelo isolamento internacional. E virá acelerar um processo, já em curso, de modernização económica, social, cultural e mental que vinha esbarrando com os obstáculos político-institucionais levantados por aquele modelo. Uma dupla contradição ameaçava de morte, com efeito, o regime dirigido desde 68 por Caetano e Tomás: a contradição entre o seu aparelho institucional rígido, fechado e conservador e as exigências derivadas do desenvolvimento industrial num contexto de cada vez maior dependência em relação à Europa, e a contradição entre a sua expressão ideológica autoritária e nacional-colonialista e as aspirações pluralistas e anti-colonialistas desencadeados pela nova dinâmica social e cultural que caracterizou os anos sessenta. Em tal contexto, o fenómeno da guerra colonial só conjuntural e momentaneamente podia assumir um papel amortecedor. Mais cedo ou mais tarde, estava condenado a ser o catalisador que historicamente acabou de facto por ser. Assim, de balão de oxigénio inicial, a guerra colonial volver-se-ia em grande asfixiador empunhado pelo próprio braço armado do regime – a instituição militar.

Não foi fácil nem linear, porém, a implantação do regime democrático num país vítima de quase meio século, de súbito a braços com uma descolonização tardia, a que se juntavam os efeitos da crise económica internacional que acabara de irromper em l973. Circunstâncias estas que explicam as peculiares características da transição para a democracia entre nós por comparação com outros países europeus da época envolvidos em processos semelhantes.

A cegueira colonialista do regime autoritário impediu, portanto, uma transição sem sobressaltos revolucionários radicais para uma democracia parlamentar. E facilitou a rápida ascensão dos principais grupos oposicionistas, nomeadamente comunistas e socialistas os únicos em condições de preencherem o súbito vazio político-ideológico criado, já que os liberais se ressentiam da insipiência das tentativas até então feitas para se organizarem e a direita conservadora pagava o preço do seu total comprometimento com o regime derrotado. Torna-se, pois, mais compreensível a emergência de toda uma mitologia revolucionária, baseada na identificação entre fascismo e capitalismo e na ausência de quaisquer alternativas fora de um socialismo de pendor colectivista, com maior ou menor respeito pelas liberdades e pelas regras democráticas de disputa do poder. Inevitavelmente, porém, teria de se dar o choque, dentro desta mitologia, entre os que subordinavam as liberdades ao socialismo e os que, pelo contrário, subordinavam o socialismo às liberdades, levando Portugal a viver intramuros - a grande opção que dividiu o mundo na primeira metade do século XX. Até tudo (ou quase tudo) se encaixar no novo molde constitucional, compromisso político-institucional entre a força da utopia ideológica e as exigências da vida democrática, sem vanguardismos tutelares nem novos dogmas.

Marcelismo, e a crise do regime autoritário

Em Setembro de 1968, após doença e manifesta incapacidade de Salazar, Marcelo Caetano assume a Presidência do Conselho. Inicia-se uma fase na vida do regime que pode considerar-se, dados alguns sinais emitidos e a conhecida posição do novo Presidente do Conselho face a Salazar, como correspondendo ao de uma possível liberalização. É um período que vai do Outono de 1968 à realização das eleições legislativas em Outubro de 1969. O regresso do exílio, quer do bispo do Porto quer de Mário Soares (Novembro de 1968), entre outros factos, funcionam como sintomas de tal possível abertura ou liberalização. Tem então lugar a apresentação do "Manifesto à Nação" por parte da chamada oposição socialista (finais de 1968).

A partir de 1970, começa a ser notório o impasse na evolução política do regime. A revisão constitucional de 1971, como a publicação na nova Lei de Imprensa - que não elimina a censura - , são, entre outros, factos que confirmam essa abertura adiada. A este período pós-1970 corresponde a radicalização da luta oposicionista. Emergem grupos de acção política armada. [...] A 28 de Outubro de 1973, realizam-se novas eleições para a Assembleia Nacional. A "ala liberal" não sobrevive à cristalização do regime nos seus princípios autoritários.

Do Verão de 1973 a Abril de 1974, agravam-se as contradições na instituição militar. São disso sintoma a contestação à realização, a 1 de Junho de 1973, do Congresso dos Combatentes, no Porto, bem como a publicação do Decreto-Lei n.º 373173, de 13 de Julho. Este diploma legal fará despontar a contestação militar por parte de oficiais do Quadro Permanente. Em Fevereiro de 1974 era publicado o livro do general Spínola, Portugal e o Futuro. Fica demonstrado publicamente o conflito existente no seio do regime em torno da solução política final para o problema ultramarino.[...] Antes do golpe de 25 de Abril assistir-se-á, ainda, a uma remodelação governamental (15 de Março) e a uma movimentação militar abortada (16 de Março). Na madrugada deste dia, o Regimento de Infantaria 5, sediado nas Caldas da Rainha, executou uma marcha frustrada sobre Lisboa. Tinha como objectivo depor o Governo e acabar com o regime.

O MFA e o derrube do regime autoritário

A rapidez com que o "Movimento dos Capitães" transforma um protesto de natureza corporativa numa questão política global constitui a melhor prova de que a crise da sociedade portuguesa e os seus reflexos na instituição militar atingiam uma gravidade sem precedentes na história do Estado Novo. A incapacidade do regime ditatorial para encontrar uma solução política para a guerra colonial é o factor determinante na mobilização dos jovens oficiais. O golpe militar das Caldas da Rainha, de 16 de Março de 1974, apesar de neutralizado pelas forças governamentais, funcionou como "primeiro ensaio" para a operação de derrube do regime que o Movimento prepara cuidadosamente. O plano, concebido por Otelo Saraiva de Carvalho, envolve um considerável número de unidades militares de Norte a Sul do País.

Estabelecido o posto de comando das forças revoltosas no Regimento de Engenharia 1, na Pontinha, e difundidas as canções E Depois do Adeus e Grândola, Vila Morena, que funcionavam como senha para o início da revolução, as unidades "rebeldes" procuram rapidamente apoderar-se dos pontos estratégicos (RTP, Rádio Clube Português, Emissora Nacional, Quartel-General da Região Militar de Lisboa e Aeroporto da Portela) da cidade de Lisboa. Num segundo momento, uma coluna da Escola Prática de Cavalaria, proveniente de Santarém e comandada pelo capitão Salgueiro Maia, isola a Praça do Comércio e corta o acesso ao Banco de Portugal, Rádio Marconi e aos ministérios. A rápida actuação das unidades afectas ao Movimento apanha as forças do regime completamente desprevenidas. As que tentam opor-se, desmoralizadas e desmotivadas perante a determinação de Salgueiro Maia, passam para o lado dos revoltosos. Neutralizado o perigo no Terreiro do Paço, as forças de Salgueiro Maia dividem-se em dois grupos. O primeiro, constituído pelos militares aderentes das forças, inicialmente fiéis ao regime, (Lanceiros 2, Cavalaria 7 e Infantaria 1), vai ocupar posições junto ao Quartel-General da Legião Portuguesa. As forças da Escola Prática de Cavalaria deslocam-se para junto do quartel do Comando-Geral da GNR, no Carmo, para obter a rendição de Marcello Caetano que aí se tinha refugiado a conselho de Silva Pais, director da polícia política. Após algumas tentativas de negociações, o general Spínola, mandatado pelo MFA e aceite como interlocutor por Marcello Caetano, entra no quartel e obtém a rendição do Presidente do Conselho.

Com a revolução ganha, o general Spínola reúne-se com a Comissão Coordenadora do MFA para estudar a proclamação elaborada pelo Movimento, que, com algumas alterações, viria a ser lida por ele, em nome da Junta de Salvação Nacional, na madrugada do dia 26. Os últimos bastiões do regime a depor as armas foram a PIDE/DGS (única instituição governamental a causar 4 mortos e 45 feridos durante a revolução) e as prisões de Caxias e Peniche, de onde foram libertados todos os presos políticos. O rápido e inequívoco sucesso da revolução do dia 25 de Abril demonstra claramente a crise sem precedentes que o Estado Novo atravessava e a necessidade premente de mudar Portugal.

O MFA e a descolonização

[...]

Entre o Verão de 1974 e Março de 1975, o Governo português foi estabelecendo contactos e celebrando acordos com os diversos movimentos de libertação que eram os legítimos representantes dos diferentes povos africanos. O processo terminará, no dia 20 de Dezembro de 1999, quando Macau ficar, definitivamente, sob administração chinesa.

Veja os links da cronologia dos fatos e a Senha de Comunicação no Portal Abrali

Pesquisa: Celso Brasil para o Portal Abrali
Parceria: Nossos especiais agradecimentos ao Instituto Camões www.instituto-camoes.pt

Fonte: Portal Abrali
www.abrali.com



Número:  14
Data:  SEGUNDA - FEIRA 17 DE MARÇO 2006
Título:  INFORME LITERÁRIO - 3ª EDIÇÃO

Informe Literário – 3ª edição – Vênus Creations


Estarei participando esse ano da Antologia Margens do Atlântico com o miniconto “As Lágrimas de Zelão” que terá seu lançamento no Brasil e Portugal pelo Projeto Cultural Abrali.
 

O Projeto Cultural ABRALI, orgulhosamente apresenta e convida os amantes da Literatura para os lançamentos de suas Antologias Literárias Internacionais.

São livros que mostram todo o talento de Poetas e Escritores Luso Brasileiros que selecionaram seus melhores trabalhos em três obras:

CANTOS DO MUNDO, MARGENS DO ATLÂNTICO e DOIS POVOS UM DESTINO.

São antologias que ficarão marcadas na história desta nova fase literária, em eventos que contarão com a presença dos autores num grande sarau com coquetel, apresentação de artistas, músicos e uma grandiosa noite de autógrafos com a presença da imprensa e personalidades que garantirão a repercussão e o merecido sucesso destes novos valores que se apresentam ao mercado literário com muita qualidade.

A união de autores já publicados e mais conhecidos e autores, ainda desconhecidos, permite que estes últimos, que apresentam todas as condições para enfrentar o mercado literário, é uma das estratégias que permite o Projeto atingir seu objetivo.

Os lançamentos:

São Paulo
22 de Abril, na Casa de Portugal às 16:00 horas.
Av da Liberdade 602 - Liberdade
São Paulo, SP - Brasil

Londrina
25 de Abril, na Casa de Cultura José Gonzaga Vieira, às 20:30 horas.
Avenida Higienópolis, 1910
Londrina, Paraná - Brasil

Recife
18 de Maio, no Gabinete Português de Leitura, às 17 horas.
Rua Imperador Dom Pedro II, 290
Recife, Pernambuco - Brasil

Portugal
17 de Junho, Lisboa - Bairro Alto – Rua da Rosa.

Projeto Cultural ABRALI – A Literatura sem Fronteiras promovendo, verdadeiramente, os Novos Talentos Literários.

Celso Brasil
Presidente do Projeto Cultural ABRALI
Poeta, Escritor, Editor e Promotor Cultural
www.abrali.com

Margens do Atlântico

1 - Prefácio – Poeta e Escritor Português Joaquim Evónio:
JOAQUIM EVÓNIO RODRIGUES DE VASCONCELOS - Nasceu na Freguesia de Santa Maria Maior, Funchal, Madeira, a 3 de Setembro de 1938.
Licenciado em Ciências Militares - Coronel de Infantaria na situação de Reforma Extraordinária.
Licenciado em Ciências Sociais e Política Ultramarina pela UT de Lisboa.
Auditor do Curso de Defesa Nacional - CDN 83.
Certificado de Proficiency in English - British Institute - Lisboa.
Assessor Principal do Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil (SNBPC).
Associações a que pertence:
Associação Portuguesa de Escritores (APE) - Associação Cultural SOL XXI (extinta recentemente) - Instituto Açoriano de Cultura (IAC) - Associação Escadote Cultural - Associação de ex-Auditores dos Cursos de Defesa Nacional - Associação de Deficientes das Forças Armadas (ADFA) - Sociedade Portuguesa de Engenharia Sísmica (SPES) - Núcleo de Apoio ao Centro Desportivo Universitário de Lisboa (NACDUL).
Contactos electrónicos: je-007@netcabo.pt
Blogue: http://www.joaquimevonio.blogspot.com
Está presente em: http://www.joaquimevonio.no.sapo.pt

Publicado - POESIA:
ESBOÇOS PESSOANOS - Poemas sobre desenhos de José Jorge Soares - Ceres Editora, Lda., Ponte de Lima, 1994.
ESBOÇOS PESSOANOS - Pessoan Sketches - Poemas sobre desenhos de José Jorge Soares - 2.ª edição bilingue, revista e actualizada, Universitária Editora, Lda., Lisboa, 1999.

Publicado - CONTOS:
SOMBRA EM CLAVE DE SOL , Universitária Editora Lda., Lisboa, 1999. Desenhos de José Jorge Soares.
2 - Capa – Celso Brasil
3 - Orelhas do Livro – Poetisa e Escritora Brasileira Lucy Reichenbach
4 - Autores participantes e respectivas páginas (Índice do livro)
Total de 242 páginas – 25 PARTICIPANTES – Cumprindo a proposta de limitação no número de autores para que todos possam ser lidos com um bom número de páginas para cada um.

Índice – Margens do Atlântico

Prefácio – Joaquim Evónio 7

Autores Participantes
Antonia Nery Vanti - Brasileira Brasil 9
Antonieta Elias Manzieri - Brasileira Brasil 19
Antonio Cícero da Silva Brasileiro - Brasil 29
Armando Augusto Coelho Garcia - Português Brasil 35
Bruno Candéas - Brasileiro Brasil 45
Celso Brasil - Brasileiro Brasil 51
Daura Brasil - Brasileira Brasil 61
Denise Figueiredo - Brasileira Brasil 71
Elaine Paiva - Brasileira Brasil 81
Geni de Lima van Veen - Brasileira Holanda 91
Gerson Filho - Brasileiro Brasil 101
Isabel Fontes - Portuguesa Portugal 111
João Carlos F. Almeida - Português Brasil 121
José Roberto Abib - Brasileiro Brasil 131
Letícia Marques Brasileira - Brasil 141
Luis Carlos Mordegane - Brasileiro Brasil 151
Maria Eva Tocchio - Brasileira Brasil 161
Maria José Zanini Tauil - Brasileira Brasil 171
Maria Loussa - Brasileira Brasil 181
Maria Teresa Albani - Brasileira Brasil 191
Moisés Salgado - Português Portugal 197
Nardélio Fernandes Luz - Brasileiro Brasil 207
Selma Amaral - Brasileira Brasil 217
Victor Jerônimo & Mercedes Pordeus - PT/BR Brasil 227
Waldyr Argento Júnior - Brasileiro Brasil 233

DOIS POVOS - UM DESTINO é a 2ª Antologia Literária Internacional organizada por Victor Jerónimo e Mercêdes Pordeus, Grupo Ecos da Poesia, Recife - Brasil e a edição está a cargo da editora ABRALI - Curitiba - Brasil.

APRESENTAÇÃO DO LIVRO

BADANAS - Mercêdes Pordeus (Brasil)
INTRODUÇÃO - Mercêdes Pordeus (Brasil)
PREFÁCIOS - Euclides Cavaco (Portugal)
Ógui Mauri (Brasil)
Alfonsina Pais (Argentina)
POSFÁCIO - Celso Brasil (Brasil)
AGRADECIMENTOS - Victor Jerónimo (Portugal)

AUTORES PARTICIPANTES

Alberto Peyrano – Argentino (Argentina)
Alfonsina Pais – Argentina (Argentina)
Ana Maria Zacagnino – Argentina (Argentina)
Ana Tavares – Portuguesa (Portugal)
Antonieta Elias Manzieri - Brasileira (Brasil)
Arlete Piedade – Portuguesa (Portugal)
Carmen Ortiz – Brasileira (Brasil)
Carmo Vasconcelos – Portuguesa (Portugal)
Carmindo Pinto Carvalho – Português (Suiça)
Cecilia Rodrigues - Portuguesa (Portugal)
Célia Jardim - Brasileira (Brasil)
Celso Brasil – Brasileiro (Brasil)
Conceição Di Castro - Brasileira (Brasil)
Denise Figueiredo – Brasileira (Brasil)
Gerson Filho – Brasileiro (Brasil)
I.Isabel P.S.Fontes – Portuguesa (Portugal)
Imaculada Catarina - Brasileira (Brasil)
Kleber Jesus Nunes - Brasileiro (Brasil)
Luiz Carlos Lopes – Brasileiro (Brasil)
Luis Carlos Mordegane – Brasileiro (Brasil)
Manuela Baptista – Portuguesa (Portugal)
Manuela Rodrigues – Portuguesa (Portugal)
Maria Antônia Canavezi Scarpa – Brasileira (Brasil)
Maria Petronilho - Portuguesa (Portugal)
Marise Ribeiro - Brasileira (Brasil)
Marici Bross – Brasileira (Brasil)
Mercêdes Pordeus – Brasileira (Brasil)
Nadir A D'Onofrio – Brasileira (Brasil)
Odete Nazário – Portuguesa (Portugal)
Pilar Casagrande – Brasileira (Brasil)
Rosa Maria Dias – Brasileira (Estados Unidos)
Rui Pais – Português (Portugal)
Teresa Silva - Portuguesa (Portugal)
Theca Angel - Brasileira (Brasil)
Valeriano Luiz da Silva – Brasileiro (Brasil)
Verônica Nery – Brasileira (Brasil)
Victor Jerónimo – Português (Brasil)
Vitor Figueiredo – Português (Portugal)
Zena Maciel – Brasileira (Brasil)

39 autores, 41 participações.
seis países.

Cantos do Mundo – 18 autores – Versos e Prosa
Fonte: Press Release – Celso Brasil
www.abrali.com

Sds...Elaine Paiva
www.awanene.com
contato: elainepaiva@gmail.com
ou pelo skype digitando lanapaiva

Elaine Paiva


Número:  13
Data:  DOMINGO 19 DE MARÇO 2006
Título:  DIVERSIDADE CULTURAL

Diversidade Cultural

Elaine Paiva X Bienal 2006 – São Paulo -

A Bienal 2006 em São Paulo foi muito bacana e eu vou contar um pouco para vocês, o que, e quem encontrei por lá.

Encontrei amigos que só conhecia pela net, reencontrei outros e fiz novos amigos.

A Bienal de São Paulo não estava tão cheia o quanto eu esperava. As filas "quilométricas" na entrada faziam com que as pessoas acabassem desistindo de entrar. Do lado de dentro um calor terrível!
Fiquei um pouco decepcionada porque esperava algo mais movimentado e organizado. A estrutura do Rio de Janeiro é dez vezes melhor que a de São Paulo. Por outro lado, encontrei algo muito especial na Bienal, o stand da Febem (Fundação do Bem Estar do Menor). E foi muito interessante conhecer o trabalho de coordenadores e voluntários.

Na foto ao lado estou rodeada de três meninos (internos) da Febem. Não posso mostrar os rostos deles, por isso, os quadradinhos. Foi um momento bacana e engraçado porque esse que está a minha esquerda da foto era muito falante e me pediu um autógrafo. Eu disse que só daria se ele também me desse seu autógrafo, ao que ele respondeu: - Eu não sou famoso! Porque vou te dar um autógrafo. Você é que tem que me dar um autógrafo. Falou sorrindo.
Eu comecei a rir e disse a ele que também não era famosa, mas fazia questão de receber o autógrafo dele. E não é que ele me deu todo serelepe!

Os rapazes da foto fazem parte da Oficina de leitura que Alessandro Buzo desenvolveu dentro da Febem voluntariamente. Clique aqui e leia a entrevista exclusiva concedida a Jornalista Vera Moraes para o site Awañene.com

Público atencioso e encantado com os meninos do Grupo de Alessandro.

Essa maquete foi desenvolvida especialmente para os meninos(as) internos da Febem se encontrarem dentro da sociedade, enxergando sua comunidade, família e identificando seus erros e dificuldades, e acima de tudo, visualizarem um futuro diferente daquele que lhes foi apresentado antes da passagem deles pela Instituição.

Capa do Cd editada a partir do Festival de hip hop 2º Canta Febem.

Stand da Febem - Acima alguns quadros pintados pelos internos.

Bete, supervisora da área de Arte e Cultura, Alessandro Buzo e Eu.

No Stand da Litteris, Eu e atriz Lady Francisco que foi divulgar o seu livro, Nunca Fui Santa.

Eu e MilleniuM, autor do livro - Wicca-A Bruxaria Saindo das Sombras que foi lançar na Bienal 2006 sua mais recente obra, Defesa Psíquica E Espiritual.(Editora Madras).

Eu e meu queridíssimo amigo, Henrique Chagas, Diretor do Verdes Trigos Org que eu só conhecia pela Internet. Adorei conhece-lo! Henrique é demais!

Enfim, foi uma viagem bastante proveitosa, porque além de rever minha turma, ainda, encontrei pessoas e coisas interessantes para ver e fazer. Aliais, São Paulo é sempre muito bom! Eu gosto muito de lá e se tudo der certo, volto em Maio.

Sds...Elaine Paiva
www.awanene.com
Contato: elainepaiva@gmail.com
ou pelo skype
digitando lanapaiva



Número:  12
Data:  QUINTA-FEIRA 9 DE MARÇO 2006
Título:  BIENAL DO LIVRO

Bienal do Livro

No Dia 12/03 das 13:00 às 14:30 h estarei na Bienal do Livro em São Paulo autografando o meu livro " O Segredo da Sra Greey" no Stand da Litteris Editores.

 

Breve Release

Após desvendar o assassinato do Paul Bennet (obra não publicada) o detetive sleiyver tira férias e visita a cidade de Florentis (cidade fictícia inspirada no Sul do Brasil), mais conhecida como a Cidade das essências, das mulheres cheirosas e das Selenas Feiticeiras. Durante sua passagem pela cidade, ele conhece pessoas interessantes e principalmente, as lendas que envolvem as Selenas Feiticeiras da Cidade de Florentis.
 

Release/Resenha por Geraldo Nogueira
Livro: O Segredo da Sra. Greey

O Segredo da Sra. Greey, livro de Elaine Paiva, é um dos escritos mais emocionantes que li nos últimos tempos. A forma com que a autora dá vida às personagens é de uma rara preciosidade. Não obstante ao ficcionismo da história, o enredo mistura misticismo, ação e drama numa simbiose que leva o leitor a entrar na história e viver a realidade das personagens.

O livro possui um conteúdo que possibilita ao leitor um novo aprendizado sobre o respeito à diversidade humana e, ainda, sobre os valores do amor e da ética nas relações afetivas.

De fácil leitura e rico em conteúdo, o livro oferece ao leitor a oportunidade de viajar pela ficção com garantia de acréscimos em sua bagagem de retorno.

Geraldo Nogueira
Advogado e Diretor Jurídico da Ong CVI Brasil


Release contra-capa por Sonia Kessar

...Existem situações banais - como, por exemplo, uma simples viagem de férias - que podem se tornar pontos de partidas para grandes e inesperadas descobertas...

De um lado, a Sra. Greey – misteriosa, carismática e solitária. Ela vive em Florentis, a cidade das essências. Um lugar bucólico, repleto de aromas e Selenas Feiticeiras. Do outro, o Detetive Sleiyver - que depois de envolver-se em muitas aventuras - vivencia situações estranhas e decifra um grande segredo.

Uma história com episódios surpreendentes de amor, compreensão e perdão. Um sopro de magia e leveza que leva o leitor a refletir sobre as questões da sua própria existência.

Embarque com o Detetive Sleiyver nessa aventura e prepare-se para uma descoberta fascinante.

Sonia Kessar
Assessora de Imprensa
Espaço 2 de Artes
imprensa@espaco2deartes.com.br


Comentário por Haroldo P. Barboza

O Segredo da Sra Greey

Esta obra nos arremessa ao mundo dos sonhos com uma diferença fundamental de outras obras já transformadas em filmes: a possibilidade da ocorrência dos fatos conosco! Isto se torna mais consistente através do poder de humanização que Elaine trouxe à figura do Detetive Sleiyver, derrubando o mito de que tal elemento é uma pessoa fria por todo o tempo em que está acordado em função de sua atividade profissional que o mantém regularmente estressado.

Haroldo P. Barboza - Vila Isabel / RJ
Autor do livro: Brinque e cresça feliz


Resenha por Cristiane Seixas

Livro: O Segredo da Sra Greey

" Uma leitura que nos convida a viajar por nosso mundo real aliado ao nosso íntimo imaginário. Uma leitura fantástica aonde cores e aromas se confundem trazendo romance e mistério. Sem dúvida uma leitura surgida de um grande momento de inspiração que conta com personagens interessantes em uma cidade fascinante.

Realmente um belo Segredo!"

Christiane Seixas
Encarregada de Departamento Pessoal


Entre outros....

Nos encontramos lá!


Destaques de Blogs da semana.

Amar-ela da Dra. Daniela Mann e Portugal Alive de Luís Damasco

Como internauta que sou sempre estou encontrando um blogger ou site legal para indicar ou sou encontrada por eles que também acabam chegando a mim por uma indicação ou busca na net.

No mês de Fevereiro tive o grande prazer de encontrar o Blog da Dra Daniela Mann que publica em seu blog diversos artigos sobre Saúde e Bem-Estar da mulher, entre outros artigos, além de dicas de Saúde e boa forma. A Amar-ela hoje é sinônimo de sucesso haja vista a quantidade de comentários e mensagem de carinho deixados no blog para a Dra Daniela.

http://amar-ela.blogspot.com/

O Portugal Alive coordenado pelo Luís Damasco também é um ótimo blog. Os internautas poderão encontrar várias notícias, matérias e artigos sobre Portugal. A diferença é que as publicações do Portugal Alive são em inglês. Para quem tem o inglês afiado é uma boa dica para ficar por dentro do que acontece na terrinha.

http://portugalalive.blogspot.com/

 

Sds...Elaine Paiva
www.awanene.com
Contato: elainepaiva@gmail.com
Ou pelo Skype digitando lanapaiva



Número:  11
Data:  QUINTA-FEIRA 9 DE FEVEREIRO 2006
Título:  DIVERSIDADE CULTURAL 2ª EDIÇÃO




Diversidade Cultural 2ª edição

 

Literatura


Victor Jerónimo

BIOGRAFIA

Victor Jerónimo, nasceu em Lisboa, Portugal em 10 de Dezembro de 1948. Aos 12 anos interrompeu os seus estudos tendo começado a trabalhar em electricista e mais tarde tipógrafo na extinta Imprensa Nacional de Lisboa, hoje Imprensa Nacional-Casa da Moeda, SA. Estudando à noite, fez vários cursos que o levaram a terminar a carreira aos 50 anos como técnico especialista de Planeamento nesta empresa.

Desde cedo começou a escrever, primeiro prosa, depois poesia mas devido a vários problemas pessoais perdeu todos os seus escritos. Poucas pessoas sabiam da sua arte poética. Quando em 2002 conheceu aquela que é a sua actual companheira, a poeta Mercêdes Pordeus, esta incentivou-o a recomeçar a escrever. Hoje tem muitas das suas poesias espalhadas em vários sitios da Internet.

PRODUÇÕES LITERÁRIAS
Organizou a Primeira Antologia Literária do Grupo Ecos da Poesia com o titúlo O FUTURO FEITO PRESENTE e participou desta.
Esta Antologia foi lançada no dia 02 de Abril de 2005 na Casa de Portugal em São Paulo através da prestigiada editora Projeto Cultural ABRALI, cuja edição esteve a seu cargo.

Victor Jerónimo é o sócio nº 550 da APP - Associação Portuguesa de Poetas

BIBLIOGRAFIA

- 1ª Antologia Poetica, (2004) edição histórica da AVBL, com o apoio da Perfeitura Municipal de Bauru, Brasil e que reuniu 118 participantes de 16 países. ISBN 85-98219-02-9

- 1ª Antologia Literária do Grupo Ecos da Poesia “O FUTURO FEITO PRESENTE, (2005) 27 autores, 4 países, edição a cargo da Editora ABRALI e apoio do Jornal Mundo Lusíada e Casa de Portugal em S.Paulo. ISBN 85-9051170-1-2

- TERRA LATINA, Antologia Internacional (2005) ISBN 85-905170-2-0
- Terra Lusíada, Antologia Poetica Internacional (2005) ISBN 85-905170-3-9
Ambas as edições são da ABRALI e cujos lançamentos foram no Brasil e Portugal simultâneamente.

- OFICINA POESIA 20 ANOS, da Oficina Editores, Rio de Janeiro, Brasil (2005) organização de Sergio Gerónimo com lançamento no Up Turn Bar, Barra da Tijuca, Rio/RJ. ISBN 859828520-X

- DOIS POVOS - UM DESTINO, 2ª Antologia do Grupo Ecos da Poesia e que reúne autores de Portugal, Brasil e Argentina (no prelo)

- Em preparação “Agora e Para Sempre” livro de poemas em parceria com Mercêdes Pordeus.

Victor Jerónimo em conjunto com Mercedes Pordeus fundou em 26 de Fevereiro de 2004 a comunidade luso-brasileira Grupo Ecos da Poesia, dedicada à divulgação de autores da lingua portuguesa e mais tarde em lingua castelhana.
Em 2004 convidou os autores do Grupo a unirem-se na criação de uma antologia literária tendo saído do prelo em 02 de Abril de 2005 a 1ª Antologia Literária do Grupo Ecos da Poesia, O FUTURO FEITO PRESENTE, que reuniu 27 autores brasileiros e portugueses residentes em vários países, 269 poemas e cujo lançamento feito através da Editora ABRALI, Curutiba, Brasil, foi na Casa de Portugal em S.Paulo.

Membro académico da Academia Brasileira de Literatura
http://www.abrali.com/

Membro efectivo da Academia Virtual Brasileira de Letras
http://www.avbl.com.br/

Membro fundador do "Virtualismo - Escola de Autores, Escritores e Poetas Virtuais"
http://www.virtualismo.com.br/

Membro assistente na àrea 3 do Instituto da Poesia Universal
http://www.ipu.lenamais.com.br/

Membro do CEN - Portal Cá Estamos Nós – Portugal
http://www.portalcen.org

Membro do O Dono da Loja - Poesia do Mundo Lusófono
http://www.ferool.info/

Membro da Puente de La Amistad
http://puentedemadamelady.com/

HP Pessoal : http://geocities.yahoo.com.br/agora_e_para_sempre/

e-book: http://www.victorjeronimo.ebooknet.com.br/

Blog: http://spaces.msn.com/members/TEIA-DE-LETRAS/

Fonte: Portal Abrali e Ecos da Poesia

Foto Exclusiva do site Ecos da Poesia

Música

Duo Som Luso


NELSON CÂMARA & CARLOS BORGES acabam de lançar o site Oficial da banda Duo SomLuso.

Nelson Câmara é considerado um dos mais conceituados músicos da comunidade portuguesa do Canadá e, atualmente, tem como sua maior atividade o trabalho de produtor musical em estúdio de gravações com grandes artistas da comunidade Portuguesa do Canadá e outros países.

Carlos Borges iniciou sua carreira com três dos seus irmãos no conjunto "ROAD RUNNERS", indo mais tarde para o conjunto "ISLAND BOYS". Em 1985 aceitou convite para ser o vocalista do conjunto "OS ÁGUIAS". Recentemente participou do projeto Amor de Artista 2005 e, atualmente, é considerado um dos melhores vocalistas da comunidade Norte América.

Da união desses dois cantores nasceu o, Duo SomLuso, que é sucesso nas festas, clubes e Associações da comunidade portuguesa do Canadá.

Visite o site e contrate esse show maravilhoso!

http://www.somluso.com

Fotos exclusivas do site Duo Som Luso

Fonte: Site Duo Som Luso



Exposições

A Arte de João Leitão.

Quadro Chaume


Passeio de Barco

João José Leitão

Português radicado na França (Paris) há 40 anos, pintor na construção civil e autodidata em pintura sobre tela.

João descobriu a paixão pela pintura há poucos anos e usa seu instinto para desenvolver cada tela. Ao falar sobre seu trabalho em sua homepage, o artista brinca dizendo que sua técnica é não ter técnica.

Para conhecer outros trabalhos de João Leitão acesse o link abaixo

http://joao.leitao.free.fr/Galeria.html


Até a próxima semana com algumas novidades.

Sds...Elaine Paiva
www.awanene.com
contato: elainepaiva@gmail.com
ou no skype digitando lanapaiva



Número:  10
Data:  TERÇA - FEIRA 24 DE JANEIRO 2006
Título:  DIVERSIDADE CULTURAL

Diversidade Cultural – 1ª edição



Enquanto eu continuo enrolando os amigos visitantes sobre o tema Marketing cultural, segue uma edição especial de Diversidade Cultural.

 

O monge e o Executivo: uma História sobre a Essência da Liderança
JAMES C. HUNTER

Leonard Hoffman, um famoso empresário que abandonou sua brilhante carreira para se tornar monge em um mosteiro beneditino, é o personagem central desta envolvente história criada por James C. Hunter para ensinar de forma clara e agradável os princípios fundamentais dos verdadeiros líderes.
Se você tem dificuldade em fazer com que sua equipe dê o melhor de si no trabalho e gostaria de se relacionar melhor com sua família e seus amigos, vai encontrar neste livro personagens, idéias e discussões que vão abrir um novo horizonte em sua forma de lidar com os outros. É impossível ler este livro sem sair transformado. O Monge e o Executivo é, sobretudo, uma lição sobre como se tornar uma pessoa melhor.

Resenha: Considerado por alguns leitores um livro nitidamente americano e sem muita utilidade, o livro, O Monge e o Executivo, traz em sua essência a busca pela confiança em sim mesmo e a prática de novos conceitos para serem aplicados no seu dia a dia. Porém, há um exagero no release em que o leitor sairá transformado e que o livro é uma lição em como se tornar uma pessoa melhor. É preciso separar uma leitura dinâmica e de conceitos com aquelas em que nossa mente viaja junto com a do escritor, o que não ocorre nesse livro, impossibilitando a tal transformação. No entanto, para quem ainda não tem uma base sólida sobre conceitos de liderança, vale a pena a leitura.

O Monge e o Executivo: Uma História sobre a Essência da Liderança
Editora: Sextante
ISBN: 8575421026
Ano: 2004
Edição: 1
Número de páginas: 144
Acabamento: Brochura
Formato: Médio

Jesus, o Maior Psicólogo que já existiu
Mark W. Baker

Jesus, o maior psicólogo que já existiu faz uma abordagem original da relação entre ciência e religião, ligando os principais ensinamentos de Jesus às descobertas recentes da psicologia.
Com base em sua experiência como terapeuta e no seu profundo conhecimento da Bíblia, Mark Baker demonstra por que a mensagem de Cristo é perfeitamente compatível com os princípios da psicologia: ela contém a chave da saúde emocional, do bem-estar e do crescimento pessoal.
Em uma linguagem simples e cativante, ele mostra que, seja qual for a nossa crença religiosa ou filosofia de vida, todos podemos nos beneficiar da sabedoria daquele que, como diz o autor, foi o maior psicólogo de todos os tempos.
Organizado em dezenas de lições concisas, este livro é uma coleção de valiosos exemplos práticos sobre como essa sabedoria comprovada pelo tempo pode nos ajudar a resolver os problemas do cotidiano, a repensar atitudes e a praticar o perdão, a solidariedade e a lealdade, valorizando nossas vidas e nossos relacionamentos com mais amizade e amor.

Indicação: De fácil compreensão o livro não chega ser uma obra religiosa e nem referência à psicologia, mas com certeza nos aponta caminhos para enfrentarmos e superamos nossas dificuldades diante da vida. É um ótimo livro. Eu particularmente gostei muito.

Resenha e indicação por Elaine Paiva
Os visitantes poderão encontrar os dois livros nas melhores livrarias do Brasil e no Canadá em English.

Jesus, o Maior Psicólogo do Mundo
Editora: Sextante
ISBN: 8575421557
Ano: 2005
Edição: 1
Número de páginas: 192
Acabamento: Brochura
Formato: Médio

Vozes do Brasil - Biografia

Selma Reis

Moradora de São Gonçalo, Niterói, quando criança, Selma participava de brincadeiras na rua, típica de um município do Rio de Janeiro, com ares de cidade do interior. A paixão pela música vem daí, pois sua família era ligada a rodas seresteiras e de vez em quando, em plena madrugada eram acordados por um desses grupos cantando. Dessa forma Selma se envolvia cada vez como mundo fascinante das vozes.
O tempo passou, e Selma seguiu o caminho natural da vida de qualquer jovem. O que fazer profissionalmente? Entrou para a faculdade de comunicação, só que no meio disso tudo, uma viagem de três anos para fora do país, mudou o rumo de sua vida.
Selma foi parar na França, mais precisamente na cidade de Nanies, numa região muito charmosa chamada de Pays de La Loire. Todos esses acontecimentos no auge de sua juventude, num grande momento de buscas, o que a ajudou muito no crescimento como ser humano. Uma grande experiência.
Aproveitando essa sua longa temporada, fez dois anos de Letras e alguns cursos de música. Com um desejo autoditada de sempre experimentar e descobrir coisas ligadas a voz, sempre que podia, viajava para Paris, afim de participar do seminário de voz e de aulas de técnica vocal.
Em 1987 finalmente grava Selma Reis, seu primeiro disco independente. O que era sonho virou realidade. Dali novos trabalhos d se sucederam. Em 90, mais um Cd com seu nome, o Selma Reis, e em 91, o Só dói quando eu Rio.
Em 1993, um grande marco na sua carreira foi o CD Selma Reis, gravado em Londres. Com arranjos de Grahaam Presket, arranjador de Paul McCartney e Elton John, foi um dos maiores investimentos da sua vida. Dois anos depois, em 95, a cantora começa a experimentar o lado intérprete, mais cantadora. Surge outro grande sucesso, Todo Sentimento.
Em 1996, Achados e Perdidos, uma belíssima obra, onde Selma passeava com sua potente voz, pelas músicas do Mestre Gonzaguinha.
Finalmente agora em 99, Ares de Havana, onde Selma mostra todo seu amadurecimento como intérprete e cantora, cantando músicas Cubanas, onde sem dúvida é um dos mais aprimorados trabalhos de sua vida.
Uma cantora sempre em busca de desafios, Selma cumpriu no Brasil, antes de embarcar para Cuba, uma temporada de grande sucesso, ao lado de Rosamaria Murtinho, no musical Abre Alas, com o personagem Mimi, sendo esse um grande desafio seu.
Pela primeira vez aventurando-se como atriz, Selma recebeu elogios de crítica e público, abrindo-se assim mais uma possibilidade artística. A cantora, a convite do diretor Jayme Monjardim, após assisti-la no musical, participou da gravação de um clipe da minissérie, Chiquinha Gonzaga, da Rede Globo.

(NOV/2002) Após uma temporada no teatro junto com Lucinha Lins, Selma relançou ano passado o excelente álbum "Todo Sentimento". O show de mesmo nome no Teatro Rival foi um espetáculo a parte. Selma começou com a excelente "Foi Deus" de uma maneira simples e marcante. Acompanhada somente de um pianista e algumas vezes do Coral da Telefônica Celular, Selma mostrou a que veio. Simplesmente fantástico. Eu fico imaginando nas pessoas que não a conhecem, fico pensando na fantástica melodia que deixam de escutar.

E vocês podem ter certeza que a cantora Selma Reis é uma das mais belas vozes do Brasil e, que infelizmente não tem o apoio e interesse da mídia.

Fonte: Site de Lauro Sá dedicado à cantora.

Uma das músicas mais bonitas interpretadas na voz da cantora entre outras é
“Se bastasse uma canção” (Versão da música “Se bastasse una canzone” de Eros Ramazzotti)

Se bastasse cantar com ternura
Pra acalmar esses dias
Em que os homens perderam a doçura
De cantar morreria
Mais quem sou eu?
Mais quem sou eu?
Simples cigarra
Em que a voz é escrava
Da melodia
Se bastasse a canção da esperança
Pra inundar de alegria
A tristeza de nossas crianças
De cantar morreria
Mas quem sou eu?
Mais quem sou eu?
Simples cigana nas sendas profanas da poesia
Se bastasse cantar compassiva
Pra aplacar a agonia
Nessas terras de gente cativa
De cantar morreria
Mas quem sou eu?
Mas quem sou eu?
Simples agente da estrala regente
das sinfonias
Ë preciso muito, muito mais
gente cantando
É preciso muito, muito mais
É quase um esforço sobre-humano
Pra conseguir mudar os planos
É preciso muito, muito mais gente
cantando
É preciso muito, muito mais
Cantar a paz no mundo inteiro
É quase um esforço derradeiro
Se bastasse cantar com brandura
Pra estancar a sangria
Pro universo viver com candura
de cantar morreria
Mas quem sou eu?
Mas quem sou eu?
Simples cantante das noites
dançantes
Das fantasias
É preciso muito, muito mais gente
cantando
É preciso muito, muito mais
Cantar, cantar que ainda é tempo
Uma canção sem sofrimento
É preciso muito, muito mais gente
Cantando
Ë preciso muito, muito mais cantar
com o céu,
Com os movimentos,
Cantar com a luz, com os elementos
Enquanto espero
Sigo cantando, e cantando e cantando
Eu vou vivendo

Fonte da Letra: Letras Mus. Br

Clique aqui para ouvir a canção na Voz de Eros Ramazzotti

Eu não prometo, mas se conseguir terminar a pesquisa sobre Marketing cultural, enfim, trago para vocês algumas matérias interessantes, fotos e vídeos.

Sds...Elaine Paiva

http://www.sleiyver.blogspot.com/ (blog Pessoal)
http://sleiyver.civiblog.org/blog/ (Blog Cultural)



Número:  9
Data:  TERÇA - FEIRA 3 DE JANEIRO 2006
Título:  CREATIVE COMMONS

Creative Commons



O selo que veio para educar a Internet.


 

Creative commons, o selo que trouxe um pouco mais de ética a internet. Isso mesmo, um pequeno selo com atribuições de compartilhamento pelas mesmas licenças.



CREATIVE COMMONS - "Alguns Direitos Reservados"
 

O que é o Creative Commons?
 

Uma das principais características do direito autoral "clássico" é que ele funciona como um grande "NÃO!". Isto quer dizer que para utilizar qualquer conteúdo, é necessário pedir permissão ao seu autor ou titular de direitos. No sistema jurídico da propriedade intelectual adotado no Brasil, até mesmo os rabiscos feitos em um guardanapo já nascem com "todos os direitos reservados".
 

Apesar disto, muitos autores e titulares de direitos não se importam que outras pessoas tenham acesso aos seus trabalhos. Um músico, um videomaker ou uma escritora podem desejar justamente o contrário: o amplo acesso às suas obras, ou eventualmente, que seus trabalho sejam reinterpretados, reconstruídos e recriados por outras pessoas.
 

Assim, o Creative Commons gera instrumentos legais para que um autor ou titular de direitos possa dizer ao mundo que ele não se opõe à utilização de sua obra, no que diz respeito à distribuição, cópia e outros tipos de uso.
 

O Creative Commons é um projeto que tem por objetivo expandir a quantidade de obras criativas disponíveis ao público, permitindo criar outras obras sobre elas, compartilhando-as. Isso é feito através do desenvolvimento e disponibilização de licenças jurídicas que permitem o acesso às obras pelo público, sob condições mais flexíveis.
 

Existem diversas modalidades de licença, cada uma concedendo direitos e deveres específicos. Há licenças que permitem a ampla divulgação da obra, mas vedam seu uso comercial. Outras permitem o aproveitamento da obra em outras obras. Há também licenças que permitem o "sampleamento", remixagem, colagem e outras formas criativas de reconstrução da obra, permitindo uma enorme explosão de possibilidades criativas.
 

Muda-se, assim, de "todos os direitos reservados" para "alguns direitos reservados", garantindo-se a existência de uma universalidade de bens intelectuais criativos acessíveis a todos, que é condição fundamental para qualquer inovação cultural e tecnológica.
 

Fonte: Fundação Getúlio Vargas (O CTS (FGV) dirige no Brasil o projeto Creative Commons, um projeto criado pelo Professor Lawrence Lessig, com sede na Universidade de Stanford. Mais de dez países já fazem parte do Creative Commons, tendo o Brasil sido pioneiro, juntamente com a Finlândia e o Japão. O CTS trabalhou ativamente na adaptação das licenças do Creative Commons para nosso ordenamento jurídico tendo levado o Brasil a ser o país pioneiro no desenvolvimento das licenças CC-GNU GPL e CC-GNU LGPL, hoje utilizadas oficialmente pelo governo brasileiro para o licenciamento de software livre.)
 

Que outros benefícios o selo Creative Commons trouxe a Internet?
 

O Creative Commons trouxe uma outra mentalidade para a internet. Antes do selo, muitas matérias, notícias jornalísticas, fotos exclusivas de sites, pintura on-line, contos, poesias e todos tipos de textos eram copiados da internet sem que fossem sequer dadas as fontes originais daqueles materiais publicados indevidamente.
 

Há aqueles também que tomavam para si, muitas obras encontradas na internet. Apesar de toda dificuldade jurídica, o Brasil vem crescendo nessa área e enquadrando alguns sites que copiam matérias tomando créditos como se fossem de sua fonte, quando na verdade as fontes viam de outras agências de notícias.
 

Um outro fator interessante, é que a simples presença do selo começou a trazer uma nova consciência para os internautas. Quando se vê um selo Creative Commons deve-se primeiro observar as atribuições, ou seja, o que você pode ou não pode fazer com o material pela qual se interessou e, em que condições o internauta poderá distribuí-lo.
 

Uma das licenças utilizadas pelos internautas é como essa abaixo na qual o blog sleiyver Org compartilha.
 


 

Atribuição-Uso Não-Comercial-Compatilhamento pela mesma licença 2.0 Brasil
 

Você pode:
 

copiar, distribuir, exibir e executar a obra
 

criar obras derivadas
 

Sob as seguintes condições:
 

Atribuição. Você deve dar crédito ao autor original, da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Uso Não-Comercial. Você não pode utilizar esta obra com finalidades comerciais.

Compartilhamento pela mesma Licença. Se você alterar, transformar, ou criar outra obra com base nesta, você somente poderá distribuir a obra resultante sob uma licença idêntica a esta.


Para cada novo uso ou distribuição, você deve deixar claro para outros os termos da licença desta obra.
 

Qualquer uma destas condições podem ser renunciadas, desde que Você obtenha permissão do autor.
 

Qualquer direito de uso legítimo (ou “fair use”) concedido por lei, ou qualquer outro direito protegido pela legislação local, não são em hipótese alguma afetados pelo disposto acima.
 

Termo de exoneração de responsabilidade
 

Este é um sumário para leigos da Licença Jurídica (na íntegra).


 

Recentemente os visitantes do blog Sleiyver Org puderam observar que eu não publiquei a matéria na íntegra sobre “O Amor de Artista 2005” escrita pelo Avelino Teixeira publicada no site da Vênus Creations.
 

Não que o Avelino não me autorizasse a publicá-lo, mas porque o nosso amigo e colaborador, escreve também para o site Adiaspora.com. onde, acredito que tenha originado a primeira publicação do artigo sobre o evento, tendo em vista que as fotos foram distribuídas no contexto da matéria de acordo com a dissertativa do texto do colaborador. E só depois, publicada no site da Vênus Creations.
 

Em respeito ao site Adiapora.com, eu fiquei impossibilitada de distribuir a obra na íntegra porque o site não possui licença Creative Commons para reprodução, em todo e nem em parte.
 

Então, restou-me apenas utilizar uma saída elegante que é, o briefing da matéria com inclusão de alguns textos já que o Avelino publicou o artigo em dois sites. Ou seja, através do seu artigo, tive acesso a todas informações da apresentação do CD “Amor de Artista 2005” onde inseri algumas opiniões particulares já que acompanho a comunidade há mais de dois anos e conheço o trabalho de muito dos artistas locais, dando ênfase ao evento, ao projeto, bem como seu idealizador e participantes e, principalmente, citando o autor do texto e as fontes da matéria.
 

Essa é uma saída elegante, mas ainda não é a mais correta. O ideal seria que a Adiapora.com, a Vênus Creations e o blog Sleiyver.Org compartilhassem da mesma licença. O que ainda não acontece, mas ainda assim, eu fiz questão de publicar dessa forma porque queria aproveitar o gancho para falarmos da Creative Commons.
 

Sobre Jornais On line
 

Eu visito muitos sites e Jornais de Comunidade Portuguesa e Brasileira de vários países e me causa estranheza a forma como são publicadas muitas das matérias tiradas de Jornais on line de vários países.
 

Gente, em um copy a fonte tem que ser citada. É uma grande falta de ética a não citação da fonte.
 

Ressalvando os grandes jornais e agências de notícias internacionais, como a Reuters, EFE, AFP entre outras (que vendem notícias aos grandes jornais e sites através de contratos) onde “É proibido a reprodução de parte ou em todo das matérias”, para se fazer um copy de uma notícia, artigo ou matéria, basta incluir abaixo do texto as seguintes informações:
 

Fonte: Jornal (x)
Pelo Jornalista (X quando houver citação do profissional)
Foto divulgação (x quando houver o nome do fotógrafo)
 

Há de se respeitar os profissionais de campo Jornalísticos, bem como as empresas que pagam seus impostos e seus funcionários para manter um jornal de qualidade, com informações atualizadas, matérias e fotos exclusivas, bem como textos e crônicas dos seus colunistas.
 

Tenho encontrado jornais de excelência em várias comunidades, pena que pecam no abuso da não inclusão da fonte das noticiais copiadas de jornais de diversos países. Realmente, é lamentável!
 

Dos E-mails que rondam na net
 

Vários sites publicam textos adaptados de inúmeros e-mails que recebemos em nosso dia a dia.

Nossa! Quantas pessoas tomam para si uma obra que não lhe pertence.

É vergonhosa a quantidade de textos onde o “suposto autor” muda o idioma e a cultura de uma crônica, conto e até poesias e publica como se fosse de sua autoria. É simplesmente ridículo porque quem é internauta já leu o texto em algum lugar ou já recebeu por e-mail e sabe que aquela “obra” não pertence aquele “suposto autor”.
 

No Brasil, o site do Grupo Ecos da Poesia está fazendo uma campanha para que as pessoas não publiquem textos com a assinatura de “Autor Desconhecido”.
 

Não existe “autor desconhecido”. Alguém tirou um texto, uma crônica, uma poesia de algum lugar, seja de um livro, uma revista, site, jornal, biblioteca até de um caderno ou diário e repassou, repassou...repassou...repassou até ir se perdendo o nome do autor. Todo texto tem um autor, não existe um texto sem dono.
 

Eu mesma há alguns anos também publiquei textos com a assinatura de “autores desconhecidos”, mas era tão estranho. Hoje, quando recebo um texto bonito ou interessante que diga “autor desconhecido” eu vou buscar na net o seu dono. Se encontrar, publico, mas senão encontro, guardo para mim suas belas e interessantes palavras.
 

E, é assim que, nós coordenadores de sites, blogs e afins crescemos aprendendo uns com os outros. Alguns mais experientes, outros menos, mas com o mesmo sentimento de que podemos fazer um trabalho de qualidade sem despeitar os colegas, usando as regras básicas da internet que é a ética, educação e a vontade de se fazer um bom trabalho.
 

Bem vindos ao Creative Communs, o Selo da Consciência na Internet!
 

Nota por Elaine Paiva
 

Na próxima semana enfim, iremos falar sobre Marketing Cultural.
 

Sds...Elaine Paiva
 

http://sleiyver.civiblog.org/blog/ (Blog Cultural)
 

http://www.sleiyver.blogspot.com/ (Blog Pessoal)
 

Contato:

e-mail: elainepaiva@gmail.com

Ou pelo Skype digitando

lanapaiva


Nota Creative Commons
 

Atribuição - Uso não-Comercial - Compartilhamento pela mesma licença 2.0
 

A INSTITUIÇÃO CREATIVE COMMONS NÃO É UM ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA E NÃO PRESTA SERVIÇOS JURÍDICOS. A DISTRIBUIÇÃO DESTA LICENÇA NÃO ESTABELECE QUALQUER RELAÇÃO ADVOCATÍCIA. O CREATIVE COMMONS DISPONIBILIZA ESTA INFORMAÇÃO "NO ESTADO EM QUE SE ENCONTRA". O CREATIVE COMMONS NÃO FAZ QUALQUER GARANTIA QUANTO ÀS INFORMAÇÕES DISPONIBILIZADAS E SE EXONERA DE QUALQUER RESPONSABILIDADE POR DANOS RESULTANTES DO SEU USO.
 

Aprenda como distribuir sua obra usando esta licença



Número:  8
Data:  SEXTA - FEIRA 23 DE DEZEMBRO 2005
Título:  PARCERIAS, PROJETOS E CRIATIVIDADE

Parcerias, Projetos e Criatividade Literária.

A cada ano observamos que os escritores estão buscando novos caminhos para divulgar seus trabalhos. Seja através de grandes ou pequenos projetos e de ótimas parcerias.



Lançar um livro ou um outro tipo de projeto literário, atualmente requer um bom trabalho de marketing e muita criatividade. Às vezes, um pequeno detalhe faz a diferença.

Recentemente o escritor, poeta e professor de Economia Silvio Persivo e seu colega Sued Pinheiro escreveram o livro “O Candiru do Madeira- Dois Anos e ½ Tapando Buracos”.



O livro além de possuir um ótimo conteúdo vem com um buraco. Isso mesmo, com um buraco na parte direita baixa, vazando todo o livro. Sabem porque? Explico:

Candiru: peixe da região amazônica: Ordem Siluriformes ; Família Trichomycteridae e Gênero Plectrochilus

Como são peixes que vivem cercados por dúvidas e mitos, histórias de ataques a mamíferos causam preocupações, principalmente quando a vítima é um ser humano. A periculosidade do Candiru justifica-se pelo fato de penetrarem na uretra de homens e mulheres. Podem entrar no corpo através de outros orifícios, como ânus, vagina, ouvido, boca e nariz, mas todas as vezes que se teve notícia de que Candirus penetraram pessoas, a via de entrada sempre foi a uretra. “Isto se justifica porque se sentem atraídos pela urina, ocorrendo o mesmo quando atacam os demais peixes”, explica Pinna.
Ao urinar na água, a pessoa está dando sinal verde para que o Candiru ataque, pois se sente atraído pela uréia ou amônia. Segundo o especialista, se houver alguma tentativa para retirá-lo da uretra, o Candiru abre os dois dentes (semelhantes a espinhos) que ficam lateralmente nos opérculos, embaixo da cabeça, rasgando o tecido. A única maneira de tirá-lo é através de intervenção cirúrgica. Não é recomendado puxar o peixe. O ideal é tentar impedir que ele penetre mais no corpo e a solução é cortá-lo ou segurá-lo. Uma vez fora da água, o Candiru acaba morrendo. (Fonte: Luiz Carlos Marques)

O buraco do livro foi uma idéia simples e sensacional porque tem tudo a ver com o candiru. Isso foi uma tremenda sacada dos autores e está sendo super elogiado pelos leitores.

Tudo que faz a diferença no mercado editorial e musical é muito bem recebido pelo público. Projetos e parcerias bem articuladas tem sido fundamental na divulgação da arte e cultura aqui no Brasil.

Ainda na área literária encontrei um outro trabalho muito interessante e importante, principalmente, no Brasil onde os portadores de deficiência encontram grandes barreiras, e ainda, o preconceito e o “pré-conceito”. (O pré-conceito - de considerar que um deficiente não é capaz de trabalhar como as pessoas consideradas “normais” antes mesmo que ele possa provar sua capacidade) sendo deixado sempre a margem das possibilidades de igualdade.

Esse projeto foi idealizado pela editora áurea (SP) que lançou em 2003 um livro intitulado, 50 talentos para inclusão dedicado a pessoas portadoras de deficiência que deram a volta por cima e não se curvaram diante das adversidades do destino. Cada perfil recebeu uma página e ½ de uma breve biografia. Além do livro a editora lançou também um CD para que os deficientes visuais pudessem ter acesso a obra.

Como acompanho as notícias dos Jornais da comunidade portuguesa no Canadá, deixo a idéia dos 50 talentos como sugestão de projeto aos fundadores e diretores da Society of Portuguese Disabled Persons, para quem sabe no futuro os senhores idealizarem algo parecido no intuito de angariar fundos, oferecendo de alguma forma, seja como ingresso a um jantar ou até mesmo como prêmio de um sorteio para as pessoas que participarem de eventos beneficentes. Não é um projeto caro até porque, acredito que assim como no Brasil, empresas do Canadá de carros adaptados, cadeiras de rodas e de órteses e próteses teriam interesse em patrocinar o livro porque ganhariam de duas formas.
Primeiro porque estariam demonstrando o lado da responsabilidade social investindo em um projeto importante de incentivo aos portadores de deficiência e aos não portadores, e também, estariam fazendo seu anúncio direcionado ao seu público alvo.

Nota 1: A sugestão se dá porque ainda não tomei conhecimento de nada parecido até o presente momento no Canadá, caso exista algum projeto nesse sentido, por gentileza, nos enviem para divulgarmos.

Outros projetos e parcerias.

Alguns novos escritores e cantores estão também entrando na linha de projetos editoriais e musicais de uma forma mais simples, porém, tão eficientes quanto os projetos mais complexos.

Projetos de agendas e calendários para grandes empresas que oferecerem a seus clientes ou até mesmo para revenda.

Agendas:

Nesse ano já encontrei duas agendas em lojas. Uma com poesia e outra com pensamentos. As duas agendas foram muito bem feitas desde a arte da capa e contra-capa até a diagramação do conteúdo. É uma forma diferente de divulgar um trabalho. E, é uma boa opção para conquistar um futuro leitor, principalmente, aqueles que gostam de colecionar agendas, mas que raramente compram um livro.

Um projeto bacana que poderia se idealizado por empresas da comunidade portuguesa que tem história de sucesso desde sua chegada até os dias de hoje no Canadá, seria uma agenda tipo livro com texto de abertura do escritor Euclides Cavaco e em cada mês da Agenda uma poesia do poeta inspirada na história da empresa patrocinadora. Seria o máximo!

Calendários:

Calendário é um problema sério porque as empresas imprimem todos os tipos de calendários, inclusive, com pensamentos de grandes autores e não lhes dão um tostão.

Um calendário legal e voltado para a juventude, é o calendário tipo espiral pop rock com as datas dos maiores eventos fixos no mundo com uma breve biografia dos artistas mais famosos no verso de cada mês. Alguns cantores já estão formulando projetos nesse sentido, incluindo, no interior do calendário, um cd com duas músicas para divulgação. São as chamadas músicas carro chefe, aquelas que tem mais chance de cair no gosto popular. E no próximo ano já estaremos ouvindo novos sons.

Enfim, são tantas possibilidades de parcerias que eu ficaria a noite toda escrevendo, mas vamos deixar para falar mais um pouco sobre parcerias e criatividade no ano de 2006.

Um feliz Natal para todos e um ano novo glorioso!

Sds...Elaine Paiva

http://sleiyver.civiblog.org/blog

Nota por Elaine Paiva

No artigo anterior havia prometido falar sobre marketing cultural também, mas ainda estou fazendo algumas pesquisas vamos deixar para a próxima semana.


Citações:

Candiru: peixe da região amazônica: Ordem Siluriformes ; Família Trichomycteridae e Gênero Plectrochilus (veja aqui)

“O Candiru do Madeira- Dois Anos e ½ Tapando Buracos” (Silvio Persivo e Sued Pinheiro) uma coletânea de publicações no jornal "Alto Madeira" de Rondônia, um dos mais antigos do Brasil.
http://www.persivo.blogspot.com/

Euclides Cavaco poeta e escritor.

O livro 50 Talentos para a Inclusão reuniu perfis de pessoas com deficiência física, mental e auditiva feitos originalmente para o site www.sentidos.com.br, e foi escrito nos últimos de 2000 a 2003 por um grupo de profissionais de diferentes áreas de conhecimento. Publicitários, dentistas, pedagogos e jornalistas. Em comum, todos trabalham - ou trabalharam no projeto Sentidos, que completou seu terceiro ano no início da primavera.

Editora: Áurea Editora
ISBN: 85-88678-05-5
Páginas: 124
Edição: 1
Ano: 2003



Número:  7
Data:  SEGUNDA - FEIRA 5 DE DEZEMBRO 2005
Título:  INFORME LITERÁRIO 2ª EDIÇÃO

Informe Literário 2ª Edição – Venus Creations

Por Elaine Paiva

Pedro Silva lança seus dois livros no Brasil, "Confraria Mística Brasileira:a história" e "Templários (ordem militar e religiosa)”

O escritor português Pedro Silva lança no Brasil suas mais recentes obras, "Confraria Mística Brasileira: a história" e "Templários (ordem militar e religiosa)”.

"Confraria Mística Brasileira: a história" Editora Câmara Brasileira de Jovens Escritores Brasil, 2005
Sinopse:
A Confraria Mística Brasileira prepara-se para o lançamento de seu primeiro livro, onde serão abordadas questões de interesse do público em geral, mas que foram até agora mantidas à sete chaves.
Com maestria o escritor Pedro Silva nos mostra toda a história da CMB, desde a fundação da Instituição até a criação das Ordens Internas, além do posicionamento da Escola perante a Iniciação e o mundo moderno.


"Templários (ordem militar e religiosa)”. Editora Catedral das Letras, Brasil, 2005.
Sinopse:
Numa escrita acessível a todos, Pedro Silva dá-nos a conhecer a história, desde os seus primórdios, até os dias de hoje, da Ordem Militar e Religiosa mais famosa da história da Humanidade os Cavaleiros Templários. Uma leitura fundamental, que nos transporta ao mundo místico da Idade Média, um período em que a prática da Cavalaria, no seu sentido mais nobre, era o ponto mais alto de toda uma vida. Neste livro são-nos, igualmente, revelados alguns dos mistérios subjacentes aos Cavaleiros Templários, tais como a sua influência decisiva na consolidação de Portugal enquanto país independente e, naturalmente, a sua participação ativa no descobrimento do Brasil. Os Cavaleiros Templários são uma instituição medieval simultaneamente militar e religiosa criada na cidade de Jerusalém, em uma época em que a Cidade-Santa era local primordial de peregrinação para todos os crentes. Inicialmente, a sua função era a de proteger os caminhos que levavam os peregrinos cristãos dos portos marítimos até a Jerusalém, porém, com o passar do tempo, a sua fama de indomáveis nas batalhas e de qualificados gestores dos seus negócios (que incluíam possessões terrenas, frota naval e banqueiros reais) tornaram-se, ao mesmo tempo, idolatrados e invejados. Nas páginas deste livro descubra as razões para que isso tenha sido uma realidade e, para além disso, tome contato com pormenores fundamentais como a regra templária, a hierarquia da Ordem e a sua sobrevivência nos dias de hoje. Descubra ainda os mistérios e toda a história desde a sua fundação até a extinção.
Isto, naturalmente, sem esquecer uma visita a Tomar, a cidade templária por excelência. No fim, deleite-se com imagens de monumentos templários.

Biografia:
Autor: Pedro Silva


Informações: Nascido na cidade templária de Tomar em 1977, Pedro Silva cedo deu provas do seu interesse pela escrita, tendo alcançado o seu primeiro prêmio literário com apenas dez anos de idade.
Colaborador assíduo de diversos órgãos de comunicação social, o autor alcançou a sua estréia literária em 2000, através de Ordem do Templo: Em Nome da Fé Cristã. Um ano depois, obtém a sua internacionalização literária, ao lançar História e Mistérios dos Templários, no Brasil, tornando-se um dos mais jovens ensaístas portugueses a exportar a sua obra. No ano de 2002 lança-se no campo da ficção, com um conjunto de contos intitulado, Escritos Errantes (histórias leves como o vento mas tocantes como a tempestade).

No ano seguinte, Pedro Silva reata a sua paixão pelo ensaio histórico através de Ku Klux Klan: Pesadelo Branco. Em 2005, decide aventurar-se na escrita para jovens, iniciando a coleção Tripla Imparável, em Portugal, publicando o primeiro título da mesma, Juventude em Acção. Foi ainda Diretor da revista templária Das Brumas do Templo e do Graal. Possui mais dois livros publicados: Templários em Portugal, pela Ícone Editora, e Os Templários e o Brasil, da chancela da Editora Flâmula, ambos no Brasil no ano de 2005.

Além de escritor, Pedro Silva é cronista e colabora para os Jornais, Tribuna da Marinha Grande, O Templário, O Almonda e também para os sites Guruweb, Sabedoria Mística e Historia.net

Fonte: Pedro Silva

Vamos aproveitar o lançamento de Pedro Silva para falarmos de novo em LPB (literatura popular brasileira) e LPP (literatura popular portuguesa).

Nos últimos anos tenho observado o aumento da demanda de publicações de autores portugueses no Brasil. E fico me perguntando o que o Governo Português e as editoras portuguesas oferecem aos novos e jovens escritores para que eles publiquem suas obras no próprio país. Penso que não muito, penso que Portugal está atualmente bem distante das necessidades dos escritores portugueses.

Nesse ano quando participei da Bienal do Livro no Rio de Janeiro, encontrei o escritor Pedro Moura que participou de uma tarde de autógrafos no lançamento do seu livro (A palavra, 144 págs, Litteris Editora). Pedro foi visitar o Stand de Portugal e ficou decepcionado, pois além de não ter uma pessoa para atende-lo naquele momento, o Stand mantinha apenas em pequenas prateleiras algumas obras só de autores conhecidos. Interessante que o Stand era grande e até bonito, mas os visitantes olhavam e não viam nada que o chamasse a atenção.

Eu também estive no Stand de Portugal para ver as novidades sobre autores portugueses e também não encontrei nada que me interessasse em matéria de novidade literária, apenas pude ver alguns poucos livros históricos e de escritores famosos. Conversei com uma recepcionista muito simpática que me deu um formulário do Instituto Camões de interesse de escritores portugueses e seus descendentes diretos que desejassem conquistar subsídios para publicação de suas obras em Portugal e em outros países.

Ora, Bienal é um dos eventos mais importante para um escritor. O Stand de Portugal poderia ter aproveitado a oportunidade de trazer para o conhecimento do público brasileiro e também estrangeiro o que de novo o país vinha desenvolvendo junto a literatura e os nomes dos futuros promissores, e quem sabe, grandes nomes da literatura portuguesa do século XXI.

Tivemos sim a presença de alguns escritores portugueses “famosos” na Bienal nos cafés literários, mas Portugal deixou a desejar, não só pela pouca mídia, mas também pelo seu Stand, que embora bonito e grande, era apagado pela falta de informação - visual literária - e também pela não preocupação de fazer daquele espaço um encontro entre escritores portugueses de todos os países. São momentos como esse que os Governantes devem incentivar e unir seus “filhos da pátria” independente do país em que eles estejam vivendo.

Então, voltando a LPB (literatura popular brasileira) nos pensamentos de Luis Eduardo Matta quando ela escreve sobre essa falta de importância que o nosso governo e algumas editoras dão aos nossos escritores brasileiros e da democratização da literatura, podemos observar que Portugal também precisa de um movimento como a que o escritor Luis Eduardo Matta iniciou. Por isso, aproveitando a idéia do Luis deixo para vocês portugueses o que seria o movimento em prol da democratização da literatura popular portuguesa, a LPP.

Enfim, não querendo tirar o doce da boca das editoras brasileiras que publicam livros - custeados por estrangeiros no Brasil - e muitos menos da minha própria boca que em 2006 pretendo abrir uma editora para lançar meus próximos livros, fico me perguntando se esse é o caminho? Eu acho que não, mas é preciso que a “comunidade literária” se una e discuta o assunto com muita seriedade no intuito de encontrarem uma forma de atrair os escritores para as editoras, no caso aqui - da comunidade portuguesa – e de Portugal no próprio país.

Comentário por Elaine Paiva

Eu venho lendo alguns jornais online da comunidade portuguesa do Canadá e tenho encontrado pouquíssimas notícias sobre livros e escritores não só da comunidade como também de escritores mundiais. Aqui no Brasil, apesar de todas dificuldades de um novo ou jovem escritor, toda semana seja nos Jornais de circulação Nacional e nos sites culturais como o Verdes Trigos Org , Portal Abrali e Cronópios, encontramos diversas divulgações e críticas literárias.

Na minha modesta opinião falta o que chamamos de Caderno Cultural nos jornais da comunidade não só para abrir espaço a literatura em geral, mas também a todos os seguimentos ligados a arte e cultura.

Citações:

Institutos Camões: Criado para a promoção da língua e cultura portuguesas no exterior, o Instituto Camões é, nos termos da respectiva Lei Orgânica, a pessoa colectiva de direito público, dotada de autonomia administrativa e patrimonial, que, sob a superintendência do Ministro dos Negócios Estrangeiros, assegura a orientação, coordenação e execução da política cultural externa de Portugal, nomeadamente da difusão da língua portuguesa, em coordenação com outras instâncias competentes do Estado, em especial os Ministérios da Educação e da Cultura.

http://www.instituto-camoes.pt/


Pedro Moura: Escritor Português que lançou esse ano na Bienal do Livro no Rio de Janeiro o livro, A Palavra.

A Palavra, marca única e singular de um homem com suas verdades e ficções. A dualidade dos sentidos se avolumam e transbordam a cada página, fazendo gerar novos universos que, pela força que carregam, nos contagiam. A Palavra e seus infinitos significados transcendem o próprio tempo, vão além do tempo, atravessam paredes, países e pousam em nossas mãos. É o mistério do saber dizer que nos é permitido desvendar.


Luis Eduardo Matta: Escritor brasileiro que lançou no dia 28 de novembro sua mais recente obra literária, o livro 120 horas.

www.lematta.com

Verdes Trigos Org: Site cultural de Henrique Chagas

www.verdestrigos.org

Portal Abrali: Site cultural constituído de membros e tem como editor responsável, Celso Brasil.

www.abrali.com

Cronópios: Site cultural com vários colaboradores e tem como editor responsável, Edson Cruz.

www.cronopios.com.br


Nota Por Elaine Paiva.

Na próxima semana vamos falar de projetos, parcerias e criatividade. E também sobre o marketing utilizado pelos portugueses aqui na comunidade canadense. Tem gente que vai chiar, mas outros irão adorar! Quero deixar claro aos visitantes que não precisam se preocupar, pois eu não sou uma pessoa deselegante, pelo contrário, tentarei abordar o assunto com muito humor e de forma bem leve. Vai ser divertido!

Sds...Elaine Paiva

Contato: lanapaiva@oi.com.br

Blog: http://sleiyver.civiblog.org/blog/



 
Página 4 de 5

Página Anterior

Página Inicial

Página Seguinte

© Venus Creations. Todos os Direitos Reservados.