Publicidade Venus Creations

 

 

Versão Original
(Abre numa nova janela)

English Version

Version Française

 

OPINIÃO

QUARTA FEIRA 13 DE JUNHO DE 2018  

A língua franca e a língua de Angola

Por Ferreira Fernandes

Um extenso artigo de Paulo Pena, no DN, ontem, mostrava a importante dimensão do recente périplo europeu, Paris e Bruxelas, do presidente angolano João Lourenço. O nosso jornalista escolheu este título: "A língua franca de João Lourenço na Europa foi a diplomacia". O artigo sublinhava o interesse de o presidente Emmanuel Macron reconhecer Angola como o parceiro para resolver um dos mais graves problemas africanos: a instável República Democrática do Congo (RDC), que já foi conhecida como Zaire ou Congo (Kinshasa). Uma dificuldade de fixação no nome, que por si já indicia que procura identidade. A RDC tem uma capital que não governa, é um falhanço de país, tanto mais grave porque em tamanho é o 2.º de África e muito povoado (o 4.º).

O DN contou tudo ontem. A escolha de Angola como aliado para aquela região, por parte da França, poderia surpreender. A RDC tem vários vizinhos francófonos, como ela também é. Mas, de facto, nenhum deles tem a coesão nacional de Angola, capaz de fazer contraponto à manta de retalhos que a RDC é. Porque é um país que depois de décadas com um líder, mudou-o em eleições democráticas, sem sobressaltos, e tem um exército sólido várias vezes chamado para ações de paz, Angola convenceu Paris. Para as atividades diplomáticas e, claro, os inevitáveis negócios, Total, Airbus... Isto foi explicado pelo DN, já então lembrando que, como dissera o presidente João Lourenço, Angola queria aderir à comunidade dos países francófonos e, também, à Commonwealth, de língua inglesa. Uma diplomacia centrada no mundo onde geograficamente Angola está, onde ela coexiste com quem, mesmo países longínquos como França, lhe reconhece ser capaz de exercer influência. Lembram-se da expressão mais importante do título que citei do Paulo Pena? "Língua franca". A definição desta atual ação prática com que Luanda se pôs a falar: a língua franca, o falar de povos diferentes negociando, para encontrar a "commonwealth", a riqueza comum.

Ontem, o ministro britânico Boris Johnson regozijou-se por Angola querer aderir à Commonwealth, o que é verdade, e o DN contou ontem. Foi um escândalo por cá: Angola vai sair da lusofonia!, disse-se. Não vai, não podia nem pode, nem que nós quiséssemos. Ela não quer. Angola fala português e não é por nós - é porque é a sua língua, a língua que também a vai fazendo e já fez dela o país unido que, como se vê, outros admiram.

 

Clique aqui para ler mais notícias

Contactos - Política de Privacidade - Termos de Utilização
© Venus Creations. Todos os Direitos Reservados.